Em 1987, a UnB realizou o I Festival Latino-Americano de Arte e Cultura (Flaac).   Dentro da programação do evento aconteceu  a exposição Arte Popular e Artesanato com a participação de países como Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, Honduras, México, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela. As embaixadas de alguns desses países doaram à UnB uma parte significativa das peças expostas na mostra. Nascia, assim, o acervo da CAL. Dividida em acervo de arte e etnográfico,  a coleção  foi ampliada com inúmeras doações, ao longo dos anos, e hoje conta com mais de 2700 itens.

 

Acervo de Arte

Foi montado a partir de doações dos próprios artistas e de instituições como embaixadas sediadas em Brasília e o Banco Central do Brasil. No Acervo encontram-se obras de grandes artistas locais e nacionais como Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi, Cícero Dias, Oscar Niemeyer,  Athos Bulcão, Maciej Babinski e Rubem Valentim; e de artistas de outras nacionalidades como Pedro Pablo Oliva (Cuba), Graziela Iturbide (México) e Juan Loyola (Venezuela). Também abriga duas importantes coleções das ex- professoras da UnB: Marília Rodrigues e Stella Maris, e ainda é responsável pela guarda da coleção do professor Milton Ribeiro.

 

Acervo Etnográfico

 

Coleção Inicial

Teve início com a coleção formada pelas peças doadas por instituições como a Funai, embaixadas e governo de Roraima, por ocasião da realização do I Flaac, em 1987, marco da criação da CAL, e que foi ampliada com doações feitas durante o II Flaac, em 1989, e por outras mais recentes,  por meio das embaixadas do México, do Paraguai e de Cuba. Em 2002, a área etnográfica foi ampliada com a chegada de duas importantes coleções, antes preservadas no Iphan: Coleção Galvão e Coleção CNRC, e conta, ainda, com a Coleção Chocó, da Colômbia.

 

Coleção Galvão

Reúne um acervo etnográfico coletado na década de 1960, sob a coordenação do antropólogo Eduardo Galvão (1922-1978), professor da UnB até 1965, quando retornou para o Museu Emilio Goeldi, em Belém do Pará. Durante o período em que ficou ligado à UnB, o professor Galvão orientou pesquisas com grupos indígenas do Alto Xingu (MT), de onde provém parte importante da coleção. São 350 peças que representam, no total, 22 grupos.

 

Coleção Chocó

Formada por 163 peças dos grupos Cuna, do Golfo de Urabá e Waunana, do rio São Francisco, do Departamento do Chocó, na Colômbia, a coleção está sob a responsabilidade da CAL desde 1989, quando foi reunida para a exposição “Arte Indígena del Choco”, que teve como curador o antropólogo colombiano Álvaro Chaves Mendoza (1936 – 1992).

 

Coleção CNRC

Fruto do trabalho de pesquisadores do  Centro Nacional de Referência Cultural, dentro da proposta de mapeamento da produção cultural brasileira proposta pelo Iphan, a coleção possui um total de 319 peças de diversos grupos indígenas da região central do Brasil, sendo que 61% das peças são do grupo Krahô. Em junho de 2002, a coleção foi entregue aos cuidados da UnB.